Cidade Ambulante: a climatologia da errância nos coletivos culturais do Rio de Janeiro

Cíntia Sanmartin Fernandes, Flávia Magalhães Barroso, Victor Belart

Resumo


Investigamos neste artigo ações de coletivos culturais que conferem plasticidade a existência do que chamamos de uma climatologia do movimento ou uma estética errante produzida a partir da atitude dissensual em relação à cidade. Discutimos as novas práticas de deslocamento de grupos e coletivos contemporâneos no Rio de Janeiro dentro do contexto de acirramento das políticas de regulação das atividades culturais de rua. Analisamos as práticas dos grupos Coletivo XV e Coletivo das Ambulantes, expondo as dinâmicas distintas do movimento nas quais estes coletivos de cultura estão alicerçados a partir dos conceitos de deriva (JACQUES, 2012) e tática (CERTEAU, 1994). A investigação faz parte da pesquisa cartográfica realizada pelo grupo CAC desde 2016 no Centro do Rio de Janeiro.

Palavras-chave


Comunicação, Culturas Urbanas, Coletivos, Errância, Deriva

Texto completo:

PDF

Referências


BARROSO, Flávia Magalhães; FERNANDES, Cíntia Sanmartin. Os limites da rua: uma discussão sobre regulação, tensão e dissidência das atividades culturais nos espaços públicos do Rio de Janeiro. Políticas Culturais em Revista, v. 11, 2019.

BRAUDEL, Fernand. Civilisation matérielle, économie et capitalisme. Paris: Armand Colin, 1979.

BUTLER, Judith. Corpos em aliança e a política das ruas: notas para uma teoria performativa de assembleia. Editora José Olympio, 2018.

CARERI, F. Walkscapes: o caminhar como prática estética. São Paulo. Ed. G. Gilli, 2013

CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano. Ed São Paulo, 1994.

DEBORD, Guy et al. Potlach. Volume 14. Paris, 1954.

GUATTARI, Félix. Caosmose: um novo paradigma estético. Rio de Janeiro: Ed.34, 1992.

JACQUES, Paola Berenstein. Elogio aos errantes. SciELO-EDUFBA, 2012.

LA ROCCA, Fabio. A cidade em todas as suas formas. Porto Alegre: Sulina, 2018.

MUMFORD, Lewis. A cidade na história: suas origens, suas transformações, suas perspectivas. Itatiaia, 1965.

RANCIÈRE, Jacques. Partilha do sensível. Editora: São Paulo, 2009.

REIA, Jhessica. A lei no bolso: música de rua e luta pelos espaços públicos no Rio de Janeiro. In: Cidades Musicais: Comunicação, Territorialidade e Política. Porto Alegre: Ed. Sulinas, 2018.

RIO DE JANEIRO. Plano estratégico da cidade do Rio de Janeiro: pós-2016, o Rio mais integrado e competitivo. Rio de Janeiro, 2010.

SENNET, Richard. Carne e Pedra: o corpo na civilização ocidental. Rio de Janeiro: Record, 1997.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Attribution 3.0.

Revista Mediação
ISSN 2179-9571 (on-line)
ISSN 1676-2827 (impressa)
Universidade FUMEC
Faculdade de Ciências Humanas, Sociais e da Saúde.