“LUTAR NÃO É LOUCURA”: a ação do grupo Mães Kiss em busca de memória e justiça no caso da tragédia

Alice Bianchini Pavanello, Sandra Rúbia Silva

Resumo


Um grupo de mães que perdeu os filhos na Tragédia da Boate Kiss se uniu para pedir justiça e memória. Como forma de resistência, elas realizam vigílias permanentes no centro de Santa Maria/RS e consomem o Facebook como dispositivo de comunicação com a sociedade. O objetivo deste artigo é analisar as práticas de consumo do Facebook pelas Mães Kiss para enfrentar as tentativas de silenciamento de suas vozes, naturalização das injustiças e esquecimento da tragédia. Este trabalho está amparado nas teorias do consumo sociocultural das plataformas digitais (MILLER et al, 2016; CAMPANELLA; BARROS, 2016; CASTRO, 2014, DOUGLAS; ISHERWOOD, 2004). É adotada uma abordagem etnográfica para internet (HINE, 2015, 2016), por meio da qual se busca uma reflexão baseada nas publicações e a percepção dessas práticas pelas próprias mães. Dentre as conclusões, se aponta o Facebook como sendo consumido de forma a criar e legitimar a presença delas nos espaços públicos físicos e virtuais e um esforço para fortalecer a luta do grupo em busca de memória em nome da justiça.


Palavras-chave


Facebook; práticas de consumo; Boate Kiss; Mães Kiss; memória

Texto completo:

PDF

Referências


ARBEX, Daniela. Todo dia a mesma noite. Rio de Janeiro: Intrínseca, 2018.

ASSMANN, Aleida. Espaços de recordação: formas e transformações da memória cultural. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2011.

BADINTER, Elisabeth. Amor conquistado: o mito do amor materno. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1985.

BRITES, Jurema; FONSECA, Cláudia. As metamorfoses de um movimento social: mães de vítimas da violência no Brasil. Revista do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa. ICS. v. 48, n. 209 – out./ nov./ dez. 2013. p. 859- 877.

CAMPANELLA, Bruno; BARROS Carla (org.). Etnografia e consumo midiático: novas tendências e desafios metodológicos. Rio de Janeiro: e-papers, 2016.

CASTRO, G. G. S. Comunicação e consumo nas dinâmicas culturais do mundo globalizado. PragMATIZES: Revista Latino Americana de Estudos em Cultura, Rio de Janeiro, a. 4, n. 6, mar. 2014, p. 58-71.

DOUGLAS, Mary; ISHERWOOD, Baron. O mundo dos bens: para uma antropologia do consumo. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2004.

FREITAS, Rita de Cássia. Famílias e violência: reflexões sobre as Mães de Acari. Psicologia. USP. v. 13, n. 2. Jul. 2002, p. 69-103.

FREITAS, Joanneliese; MICHEL, Luís H. A maior dor do mundo: o luto materno em uma perspectiva fenomenológica. Psicologia em Estudo, Maringá, v. 19, n. 2, abr./jun. 2014, p. 273-283.

HALBWACHS, Maurice. A memória coletiva. São Paulo: Centauro, 2006.

HINE, Christine. Estratégias para etnografia da internet em estudos de mídia. In: CAMPANELLA, Bruno. BARROS, Carla (orgs.). Etnografia e consumo midiático: novas tendências e desafios metodológicos. Rio de Janeiro: E-papers, 2016.

HINE, Christine. Ethography for the internet: Embedded, Embodied and Everyday. London: Bloommsbury, 2015.

LANIER, Jaron. Dez argumentos para você deletar agora suas redes sociais. Rio de Janeiro: Intrinseca, 2018.

MILLER, Daniel; COSTA, Elisabetta; HAYNES, Nell; MCDONALD, Tom; NICOLESCU, Razvan; SINANAN, Jolynna; SPYER, Juliano; VENKATRAMAN, Shriram. How the World Changed Social Media. London: UCL Press, 2016.

NORA, Pierre. Entre memória e história: a problemática dos lugares. Revista Projeto História. PUC, São Paulo, n. 10, dez, 1993, p. 7-28.

PARISER, Eli. O filtro invisível: o que a internet está escondendo de você. Rio de Janeiro: Zahar, 2012.

PAULA, A. G. Pensar a democracia: o Movimento Feminino pela Anistia e as Mães da Praça de Maio (1977-1985). Dissertação (Mestrado) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2014.

PAVANELLO, Alice. Práticas de consumo das redes sociais por mães de vítimas do incêndio da Boate Kiss: a criação de experiências no cotidiano. Dissertação (Mestrado em Comunicação) – Centro de Ciências Sociais e Humanas, Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2019.

PEIXOTO, Priscila. “Acorda Santa Maria”: um estudo sobre as estratégias coletivas de organização dos familiares das vítimas da Boate Kiss. 2014. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais) – Centro de Ciências Sociais e Humanas, Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2014.

SILVA, Carolina; BRIGNOL, Liliane. Mobilização social no Facebook: conectando solidariedade e justiça no caso da Boate Kiss. In: SILVEIRA, Ada. (Org.). Midiatização da Tragédia de Santa Maria. Santa Maria: Facos-UFSM, 2018.

SIQUEIRA, Monalisa; VÍCTORA, Ceres. O corpo no espaço público: emoções e processos reivindicatórios no contexto da “Tragédia de Santa Maria”. Revista Latinoamericana sexualidad, salud y sociedade. n. 25, abr. 2017, p.166-190.

TOMAIM, Cássio. O trauma atualizado na televisão e no cinema: entre o imediatismo do acontecimento do acontecimento jornalístico e a vontade de memória diante da “Tragédia de Santa Maria”. In: SILVEIRA, Ada (Org.). Midiatização da tragédia de Santa Maria. Santa Maria: Facos-UFSM, 2018.

VIANNA, Adriana; FARIAS, Juliana. A guerra das mães: dor e política em situações de violência institucional. Cadernos Pagu. Unicamp. n.37. jul./dez. 2011. p.79-116.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Attribution 3.0.

Revista Mediação
ISSN 2179-9571 (on-line)
ISSN 1676-2827 (impressa)
Universidade FUMEC
Faculdade de Ciências Humanas, Sociais e da Saúde.