Ciberativismo aliado ao Movimento Feminista: uma análise da experiência do aplicativo PenhaS

Marina Solon Fernandes Torres Martins, Márcia Vidal Nunes

Resumo


Este artigo faz uma análise dos usos do aplicativo PenhaS, idealizado e mantido pela Organização Não Governamental (ONG) AzMina, e que é utilizado como forma de combate à violência doméstica. Nesta análise, abordamos uma das ferramentas do aplicativo, a DefendePenha, que promove um espaço de acolhimento, diálogo e construções dentro e fora do aplicativo. Avaliamos o PenhaS como um âmbito de sociabilidade dentro do ciberespaço que, além de possibilitar a construção de novas formas de interação social, pode, também, produzir ações e efeitos na realidade. Observamos as funções disponíveis e interações possíveis dentro da ferramenta DefendePenha para fazer a coleta de dados para este trabalho. A metodologia adotada utiliza os Estudos Culturais e, particularmente, o conceito de Mediações.

Palavras-chave


Cidadania, Ciberativismo, Mediação

Texto completo:

PDF

Referências


AZMINA, Revista. Quem somos. Disponível em: https://azmina.com.br/sobre/quem-somos/. Acesso em 07 jun 2019.

BABO, I. Redes e ativismo. In DI FELICE, M; PEREIRA, E; ROZA, E. Net-Ativismo: Redes digitais e novas práticas de participação. Campinas: Papirus, 2017, p. 77-88.

BEAUVOIR, S. O Segundo Sexo: fatos e mitos. Rio de Janeiro: Ed Nova Fronteira, 2016.

BECKER, Maria Lúcia. Verbete Cidadania das Minorias. Enciclopédia Intercom de Comunicação, 2010. Disponível em: www.ciencianasnuvens.com.br/site/wp-content/uploads/2013/07/Enciclopedia-Intercom-de-Comunicação.pdf. Acesso em 05 jun 2019.

BLAY, E. “Como as mulheres se construíram como agentes políticas e democráticas: o caso brasileiro”. In BLAY, E; AVELAR, L. 50 anos de feminismo: Argentina, Brasil e Chile: A construção das Mulheres como Atores Políticos e Democráticos. 1ª edição, São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, Fapesp, 2017, p. 65-97.

BUTLER, J. Problemas de Gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Ed Civilização Brasileira, 2017.

BRASIL. Lei Maria da Penha (Lei nº 11.310/2006). Biblioteca Digital da Câmara dos Deputados, 2010.

_______. Violência Intrafamiliar: orientações para prática em serviço. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas Públicas da Saúde, 2001.

CANCLINI, N. Consumidores e cidadãos: conflitos multiculturais da globalização. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2008.

CASTELLS, M. Redes de Indignação e Esperança: movimentos sociais na era da internet. Rio de Janeiro: Ed Zahar, 2013.

_________________. A Sociedade em Rede. São Paulo: Ed Paz e Terra, 2003.

CHAUÍ, M. Repressão Sexual Essa Nossa (Des)conhecida. São Paulo: Ed Brasiliense, 1984.

FOUCAULT, M. História da Sexualidade: a vontade de saber. São Paulo: Ed Graal, 1985.

Fórum Brasileiro de Segurança Pública. Anuário Brasileiro de Segurança Pública 2018. Disponível em: http://www.forumseguranca.org.br/wp-content/uploads/2019/03/Anuario-Brasileiro-de-Seguran%C3%A7a-P%C3%BAblica-2018.pdf. Acesso em 07 jun 2019.

GOHN, M. Teorias dos Movimentos Sociais – Paradigmas Clássicos e Contemporâneos. São Paulo: Loyola, 2006.

GUATARRI, F; ROLNIK, S. Micropolítica - Cartografias do Desejo. Rio de Janeiro: Ed Vozes, 1986.

LEMOS, A. “Ciberativismo”. Correio Braziliense. Brasília 15 de novembro de 2003, Caderno Pensar, 2003.

LÉVY, P. O futuro da Internet: em direção a uma ciberdemocracia. São Paulo: Paulus, 2010

_______. Cibercultura. São Paulo: Editora 34, 2010.

MARTÍN-BARBERO, J. Dos meios às mediações: comunicação cultura e hegemonia. Rio de Janeiro: UFRJ, 1997.

NATANSOHN, G. Internet em código feminino – teorias e práticas. Buenos Aires: La Crujía, 2013.

_________________. “Tecnicidades, identidades, alteridade: mudanças e opacidades da comunicação do novo século”. In: MORAES, Denis de. (Org.). Sociedade midiatizada. Rio de Janeiro: Mauad, 2006, p. 51-79.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. Declaração sobre a eliminação da violência contra as mulheres, 1993.

PRIMO, A. “O aspecto relacional das interações na Web 2.0”. In: ANTOUN, H. (Ed.). Web 2.0: participação e vigilância na era da comunicação distribuída. Rio de Janeiro: Mauad X, 2008.

SECRETARIA DE POLÍTICAS PARA AS MULHERES – PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA. Política nacional de enfrentamento à violência contra as mulheres, 2011.

RECUERO, R. A Conversação em Rede. Rio Grande do Sul: Ed Sulina, 2012.

__________. Análise de redes para mídia social. Porto Alegre: Sulina, 2015.

SANTAELLA, L. “Política nas redes e nas ruas”. In: DI FELICE, M; PEREIRA, E; ROZA, E. Net-Ativismo: Redes digitais e novas práticas de participação Campinas: Papirus, 2017, p. 89-102.

PERUZZO, C. “Direito à comunicação comunitária, participação popular e cidadania”. Revista Lumina. N.1, v.1, n.1, jun 2007. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/lumina/article/view/20989. Acesso em 06 de junho de 2019.

WAISELFISZ. J. Mapa da Violência 2012 – Homicídio de Mulheres no Brasil. [S..I], 2012.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Attribution 3.0.

Revista Mediação
ISSN 2179-9571 (on-line)
ISSN 1676-2827 (impressa)
Universidade FUMEC
Faculdade de Ciências Humanas, Sociais e da Saúde.