QUANDO O DIABO NOS FAZ RIR: PARÓDIAS E TRANSMUTAÇÕES ARQUETÍPICAS DA SÉRIE LUCIFER

Robéria Nádia Araújo Nascimento, Valtyennya Campos Pires Campos Pires

Resumo


O texto expõe os resultados de uma pesquisa que analisou a Primeira e a Segunda Temporadas da série americana Lucifer. O objetivo foi compreender as simbologias e os arquétipos em torno do diabo disseminados no imaginário cultural (DURAND, 2002) através das representações populares (CHARTIER, 2002). Do ponto de vista metodológico, a realização de um Grupo Focal (COSTA, 2005) expandiu as impressões obtidas na Análise Narrativa (MOTTA, 2013) a fim de avaliar a percepção dos espectadores sobre os mitos cristãos reproduzidos na série. A observação dos episódios sinalizou que a imagem do diabo é desconstruída por paródias e paráfrases humorísticas (NOGUEIRA, 2010), nas quais o sarcasmo e o viés da ironia acentuam a complexidade narrativa (MITTEL, 2012). Quanto à apropriação estética, o protagonista aparece como um ser belo, dotado de personalidade sensível, contrariando os signos e os estereótipos comuns às identificações culturais (HALL, 2004) relativas ao diabo. Tais artifícios corroboram um processo narrativo não linear que embaralha as características da vilania e concede carisma ao anti-herói. Nesse sentido, a série subverte os códigos sociais compartilhados sobre a figura do diabo apelando à sensorialidade contraditória do gênero ficção, tanto no viés discursivo quanto no imagético.


Palavras-chave


Ficção Seriada; Complexidade Narrativa; Imaginário Cultural; Paródias.

Texto completo:

PDF

Referências


CHARTIER, Roger. A História cultural: entre práticas e representações. 2ª Ed. Lisboa: Difel, 2002.

COSTA, Maria Eugênia Belczac. Grupo focal. In: DUARTE, Jorge; BARROS, Antonio (Orgs). Métodos e Técnicas de Pesquisa em Comunicação. São Paulo: Atlas, 2005.

DURAND, Gilbert. As estruturas antropológicas do imaginário. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

FERRAZ, Salma. As bem-aventuranças nas versões de Borges, de Machado de Assis, da Bíblia satânica de Anton Lavey e na versão ao mestre com carinho. In: MAGALHÃES, Antonio Carlos. et al. (Orgs). O demoníaco na literatura [online]. Campina Grande: EDUEPB, 2012.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A, 2004.

MAGALHÃES, Antonio Carlos. et al. (Orgs). O demoníaco na literatura [online]. Campina Grande: EDUEPB, 2012.

MARTÍN-BARBERO, Jesús. Uma aventura epistemológica. Entrevistador: Maria Immacolata Vassallo de Lopes. Matrizes. São Paulo, v.2, n.2, jul./dez. 2009.

MITTEL, Jason. Complexidade narrativa na televisão americana contemporânea. Matrizes. São Paulo: Ano 5, nº 2 jan./jun. 2012.

MOTTA, Luiz Gonzaga. Análise crítica da narrativa. Brasília: Editora UNB, 2013.

NOGUEIRA, Luís. Manuais de Cinema II: géneros cinematográficos. Covilhã: LabCom Books, 2010.

VELHO, Gilberto. Projeto e metamorfose: antropologia das sociedades complexas. Rio de Janeiro, Zahar editores, 2003.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Attribution 3.0.

Revista Mediação
ISSN 2179-9571 (on-line)
ISSN 1676-2827 (impressa)
Universidade FUMEC
Faculdade de Ciências Humanas, Sociais e da Saúde.