Fragilidade nas redes internacionais de cooperação empresarial

TANIA GONZALEZ

Resumo


O objetivo do artigo é discutir a fragilidade nas redes internacionais de cooperação empresarial. A metodologia baseou-se no realismo crítico, aplicou-se num questionário, em entrevistas, numa sondagem, em visitas de campo e na observação sistemática, recuperou-se evidência sobre a criação, rutura e prolongamento dos vínculos. O método de investigação foi qualitativo e a análise pela triangulação por especialistas. Os resultados (171 empresas estudadas durante um período de 9 anos) mostram que 81% mantém vínculos internacionais, apesar de que 61% esteve sujeito a atos de oportunismo e ao fracasso; no entanto, 91% procura novos vínculos. A principal conclusão é que a competência não debilita necessariamente a rede; em muitas ocasiões fortalece-a: um ato de oportunismo abre a possibilidade de que os agentes cooperem e uma experiência de fracasso facilita a criação de novos vínculos.


Palavras-chave


cooperação, PYME, competência, eurocentros, coopecos

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.21714/1984-6975FACES2012V11N3ART957

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Revista de Administração FACES Journal

Revista de Administração FACES Journal
ISSN 1984-6975 (online)
Classificação Qualis-CAPES - B2