RESISTÊNCIA AO USO DO M-LEARNING POR PROFESSORES DO ENSINO SUPERIOR

Renata Kurtz, Jorge Brantes Ferreira, Angilberto Sabino de Freitas, Jorge Ferreira da Silva

Resumo


O objetivo deste artigo é investigar os efeitos da resistência ao M-learning sobre a atitude e intenção de adoção desta inovação de ensino no educação superior, sob o ponto de vista de professores universitários. Para tal, foi realizada uma survey, com professores do ensino superior público e/ou privado no Brasil, em que se obteve 512 respostas válidas. O modelo foi estimado com a técnica de modelagem de equações estruturais. Os resultados sugerem que a resistência dos professores ao M-learning seja antecedente da atitude geral de adoção ao M-learning e que os professores percebem que seu desempenho profissional pode melhorar com o uso do M-learning. Os resultados representam avanços no conhecimento sobre adoção do M-learning na perspectiva dos professores, pouco explorada pela literatura e sugerem importantes ações gerenciais para instituições de ensino superior acerca da adoção e implementação de inovações.

Palavras-chave


Mobile Learning; adoção de inovações; resistência, professores; atitude

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.21714/1984-6975FACES2019V18N1ART6511

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista de Administração FACES Journal
ISSN 1984-6975 (online)
Classificação Qualis-CAPES - B2