High Frequency Trading: análise de retorno, volume e volatilidade

Alcides Carlos de Araújo, Alessandra Montini

Resumo


O artigo tem o objetivo de analisar a relação entre a volatilidade dos preços e volume na bolsa de valores brasileira em momentos antes e pós-iniciação das estratégias HFT. Para estudar a relação entre as variáveis, buscou-se comparar os momentos do mercado brasileiro antes e pós HFT. O período antes HFT foi compreendido entre 2000 a 2005 e pós HFT entre os anos 2009 a 2014. Para estimação dos parâmetros foi utilizado o método da máxima verossimilhança com informação completa (MV), o método de regressão em 3 estágios (3SLS), o método dos momentos generalizados (GMM), e o modelo GARCH(1,1) adotando para otimização o método de Marquadt. Quanto aos resultados, verificou-se que o número de negociações influencia o volume transacionado e com o crescimento das operações HFT esta influência apresentou ainda mais força. Quanto a relação entre volatilidade e volume, os coeficientes foram positivos e significativos, sendo que a força da relação tendeu a aumentar a medida que o número de negociações aumentou. O artigo contribuiu ao demonstrar que a hipótese de distribuição mista (Mixture of Distribution Hypothesis - MDH) está adequada ao mercado brasileiro. Além de trazer um alerta aos operadores de mercado, o uso exagerado do HFT aumentará o volume transacionado, causando mais volatilidade no mercado.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.21714/1984-6975FACES2018V17N2ART5289

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista de Administração FACES Journal
ISSN 1984-6975 (online)
Classificação Qualis-CAPES - B2