Resistência à Mudança Organizacional e stress no trabalho

Antônio Luiz Marques, Renata Simões Guimarães e Borges, Lívia Almada

Resumo


O objetivo deste trabalho é entender como a mudança organizacional, especificamente a implantação da Avaliação de Desempenho Individual (ADI) pelo governo de Minas Gerais, afeta o nível de stress dos servidores. Portanto, neste estudo descritivo e explicativo, um survey foi desenvolvido e questionários padronizados foram aplicados em 679 respondentes, sendo 247 da Secretaria de Estado da Saúde (SES), 248 na Secretaria de Estado da Educação (SEE) e 184 da Secretaria de Estado do Planejamento e Gestão (SEPLAG). A análise dos dados indica que a resistência à mudança influencia o stress no trabalho. Ou seja, indivíduos que apresentam níveis mais elevados de aceitação à mudança tendem ter um nível mais baixo de stress global representado pelo desgaste físico e mental. Assim como altos níveis de resistência individual à mudança geram maiores níveis de stress. Os resultados oferecem implicações relevantes para a teoria e para a prática da Gestão de Recursos Humanos.


Palavras-chave


Mudança Organizacional; Stress Ocupacional; Resistência à mudança; Avaliação de Desempenho Individual; Gestão de Recursos Humanos

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.21714/1984-6975FACES2016V15N1ART2559

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Revista de Administração FACES Journal

Revista de Administração FACES Journal
ISSN 1984-6975 (online)
Classificação Qualis-CAPES - B2