Uso do microagulhamento no tratamento de estrias albas em pele negra

Sabrina Rosa Domingos

Resumo


O fototipo alto tem diversas particularidades nos tratamentos estéticos, sabemos que não são todos os tratamentos que podem ser usados, com esta finalidade o artigo tem como tema O Uso do Microagulhamento no tratamento de estrias albas em pele negra.

Seu objetivo geral é analisar os efeitos do uso do microagulhamento no tratamento de estrias albas em pele negra e específicos são identificar as práticas do uso do microagulhamento para tratamentos de estrias, descrever os benefícios esperados e descrever as possíveis intercorrências na pele. Através de uma pesquisa qualitativa com profissionais da área da Estética, todos do sexo feminino, sendo fisioterapeutas dermato-funcionais e esteticistas. Os resultados obtidos através da revisão bibliográfica e dos entrevistados foram que o microagulhamento é um tratamento indicado para a pele negra. Porém devemos tomar cuidados na sua aplicação e no cliente precisa estar ciente dos cuidados home care para evitar intercorrências.

Texto completo:

PDF

Referências


Alchorne, M. M. D. A., & Abreu, M. A. M. M. D. (2008). Dermatologia na pele negra. Anais Brasileiros de Dermatologia.

Alethea, T. (2013) Microagulhamento parte 2. Recuperado em 1 de Setembro, 2016, de www.negocioestetica.com.br/microagulhamento-parte-II/.

Alethea, T. (2013). Microagulhamento parte 1. Recuperado em 1 de Setembro, 2016, de www.negocioestetica.com.br/microagulhamento-PARTE-1/.

Arantes, P. (2016). Microagulhamento parte 1. Recuperado em 1 de Setembro, 2016, de www.negocioestetica.com.br/microagulhamento-parte-1/.

Arantes, P. (2016). Microagulhamento parte 2. Recuperado em 1 de Setembro, 2016, de www.negocioestetica.com.br/microagulhamento-parte-2/.

Borges, F. S., & Scorza, F. A. (2016). Terapêutica em Estética – conceitos e técnicas. São Paulo, PHORTE editora, 2016.

Borges, F. S., (2010). Modalidades Terapêuticas nas Disfunções Estéticas. São Paulo, PHORTE editora, 2010.

BRAVIM, A. R. M., & KIMURA, E. M. (2007). O uso da eletroacupuntura nas estrias atróficas: uma revisão bibliográfica. Monografia de especialização em acupuntura]. Brasilia: Faculdade de educação, Ciências e Técnologia-UNISAÚDE.

Connors, T. J., & Nagel, V. (n.d). Manual científico: microagulhamento.

Corrêa, A., Santos, S. & Santos, C. (2011). Pele negra: o que você precisa saber para seus cuidados específicos. Recuperado em 24 de Agosto, 2016, de https://www.sbcd.org.br/pagina/2264.

de Andrade Lima, E. V., de Andrade Lima, M., & Takano, D. (2013). Microagulhamento: estudo experimental e classificação da injúria provocada. Surgical & Cosmetic Dermatology, 5(2), 110-114.

de Lima, A. A., de Souza, T.H., & Grignoli, L. C. E. (2015). Os benefícios do microagulhamento no tratamento das disfunções estéticas. Revista Científica da FHO/ UNIARARAS v.3, n.1/2015

Galdino, A. P. G., Dias, K. M., & Caixeta, A. (2010). Análise comparativa do efeito da corrente microgalvânica: Estudo de caso no tratamento de estrias atróficas. Revista Eletrônica “Saúde CESUC”–Nº.

Gerson, J., D’ angelo, J. M., Lotz, S., Deitz, S., Frangie, C.M, & Halal, J. (2010). Fundamentos de estética 3 – Ciência da pele. São Paulo, CENGAGE Learning, 2010.

GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

Guidi, R. (2014). Tratamento seguro e eficaz para pele negra. Recuperado em 28 de Agosto, 2016, de www.negocioestetica.com.br/tratamento-seguro-e-eficaz-para-a-pele-negra/

Guidi, R. (2015). Tecnologias e suas particularidades para a pele negra. Recuperado em 28 de Agosto, 2016, de www.negocioestetica.com.br/tecnologias-e-suas-particularidades-para- pele-negra/.

http://clinicawulkan.com.br/dermatologia-estetica-2/microagulhamento-dermaroller- dermatologista-sao-paulo/ (n.da)

http://www.buonavita.com.br/rejuvenescimento-microagulhamento/p (n.da)

Martignago, C. C. S., & Villanova, V. H. MICROCORRENTE GALVÂNICA COMO RECURSO FISIOTERAPÊUTICO PARA O TRATAMENTO DE ESTRIAS ALBAS.

Merriam, S. B. (2002). Qualitative research in practice: Examples for discussion and analysis. Jossey-Bass Inc Pub.

MINAYO, Maria Cecília de Souza. O desafio do conhecimento Pesquisa qualitativa em Saúde. HUCITEC-ABRASCO. SP, 1996.

Moreira, J. A. R., & Giusti, H. H. K. D. (2013). A fisioterapia dermato-funcional no tratamento de estrias: Revisão de literatura. Revista Científica da UNIARARAS, 1(2).

Negrão, M. (2014). Microagulhamento e filtro solar. Recuperado em 01 de Setembro, 2016, de www.negocioestetica.com.br/microagulhamento-e-o-filtro-solar/.

Portal Negócio Estética (2015). Estrias: Por que surgem, como prevenir e tratar. Recuperado em 29 de Agosto, 2016, de www.negocioestetica.com.br/estrias-por-que-surgem-como- prevenir-e-tratar/.

Richardson, R. (1999). Jarry e colaboradores. Pesquisa social: métodos e técnicas, 3. Sakakibara, E.K., & Gardenghi, G. (n.d). Atuação dermatofuncional no tratamento das estrias corporais: Revisão de Literatura.

VERGARA, S. C. Métodos de pesquisa em Administração. São Paulo: Atlas, 2005.

VERGARA, Syilvia Constant, Projetos e relatórios de pesquisa em administração. Atlas: São Paulo, 2004.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.