Principais Tipos de Alopecias não cicatriciais e suas Fisiopatogenias

Lorena Almeida Pereira

Resumo


A alopecia (queda do fio capilar) é uma das disfunções que há mais procura nos consultórios dermatológicos e que afeta ambos os sexos por trazer grande prejuízo psicossocial. Neste contexto, este trabalho procura identificar os principais tipos de alopecia não cicatriciais, que são casos específicos de queda reversível do fio capilar, além de avaliar a causa de cada uma destas. A pesquisa desenvolvida foi do tipo qualitativa, bibliográfica e com dados secundários nos quais usaram artigos científicos acadêmicos e dados da Sociedade Brasileira de Dermatologia. Os resultados descreveram os tipos das alopecias não cicatriciais e indicaram, como causas recorrentes, os fatores genéticos e hormonais, sem diferenciação entre gêneros. Pode-se concluir que a incidência da disfunção é relevante tema para estudo e pode-se sugerir, como pesquisa futura, uma pesquisa de campo com dados primários e abordagem quantitativa que permita generalizar as principais causas e tratamentos da alopecia não cicatricial no contexto brasileiro.


Texto completo:

PDF

Referências


Abraham, L. S., Torres, F. N., & Azulay-Abulafia, L. (2010). Dermoscopic clues to distinguish trichotillomania from patchy alopecia areata. Anais brasileiros de dermatologia, 85(5), 723-726.

Addor, F. A. S. A., Bombarda, P. C. C. P., Júnior, M. S. B., & de Abreu, F. F. (2014). Influência da suplementação nutricional no tratamento do eflúvio telógeno: avaliação clínica e por fototricograma digital em 60 pacientes. Surgical & Cosmetic Dermatology, 6(2), 131-136.

Alkhalifah, A., Alsantali, A., Wang, E., McElwee, K. J., & Shapiro, J. (2010). Alopecia areata update: part I. Clinical picture, histopathology, and pathogenesis. Journal of the American Academy of Dermatology, 62(2), 177-188.

Almeida, R. (2004). Alopécia Areata: Descrição clínica de uma população pediátrica. Serviço de Dermatologia. Hospital Geral de Santo António. Porto.

Bangroo, A. K., & Chauhan, S. (2005). Hair tourniquet syndrome. Journal of Indian Association of Pediatric Surgeons, 10(1), 55.

Blumeyer, A., Tosti, A., Messenger, A., Reygagne, P., Del Marmol, V., Spuls, P. I., ... & Rzany, B. (2011). Evidence based (S3) guideline for the treatment of androgenetic alopecia in women and in men. JDDG: Journal der Deutschen Dermatologischen Gesellschaft, 9(s6), S1- S57.

Blume Peytavi, U., Blumeyer, A., Tosti, A., Finner, A., Marmol, V., Trakatelli, M., ... & Messenger, A. (2011). S1 guideline for diagnostic evaluation in androgenetic alopecia in men, women and adolescents. British Journal of Dermatology, 164(1), 5-15.

Bolduc, C., & Shapiro, J. (2001). Hair care products: waving, straightening, conditioning, and coloring. Clinics in dermatology, 19(4), 431-436.

Carvalho et al., 2005. Esquema de um fio de cabelo. Bioquímica da Beleza. Recuperado em 27 abril, 2016 de, http://www.ebah.com.br/content/ABAAAAGQcAC/bioquimica- beleza?part=3

Censo Dermatológico da Sociedade Brasileira de Dermatologia. Maio de 2006. Disponível em: < http://sbd.org.br/down/censo_dermatologico2006. >

Correia, C., & Maia, L. (2007). TRICOTILOMANIA NA INFÂNCIA E ADULTEZ.

COLÉGIO INTERNATO DOS CARVALHOS, 11(1), 147-164.

Costa, M. F. (2014). Dicionário de termos médicos. Porto Editora.

Craide, F. H., Kaac, B. K., Natividade, N. B., Alves, T. D. B. C., Reis, F., & Batavia, T. Tricotilomania: revisão de literatura.

Domenico, E. B. L; Ide, C. A. C. Enfermagem baseada em evidencias: Principios e Aplicabilidade. Rev Latino-am Enfermagem. 2003 janeiro-fevereiro; 11(1):115-8

Garcia, S. (2016). Alopecia Areata. Alopecia Areata: Os Estágios de Regeneração. Recuperado em 20 fevereiro, 2016 de, https://wholeearthlife.wordpress.com/2016/01/08/alopecia-areata-the-stages-of-regrowth/.

Mulinari-Brenner, Fabiane & Hepp, Themis. (2002). Alopecias em Cosmiatria. Capítulo 17. in: Kadunc, Bogdana, Palermo, Eliandre, Addor, Flávia, Metsavaht, Leandra, Rabello, Luciana, Mattos, Roberto,& Martins, Sarita. Tratado de cirurgia dermatologica, cosmiatria e laser. Elsevier, 2014.

Fattini, C. A., & Dangelo, J. G. (2007). Anatomia humana sistêmica e segmentar. Anatomia Humana Sistêmica e Segmentar.

Fernandes, M. I., & Mejia, D. P. M. Alopécia Areata e sua Relação com o Estresse. (n.d.).

Gordon, K. A., & Tosti, A. (2011). Alopecia: evaluation and treatment. Clin Cosmet Investig Dermatol, 4, 101-6.

Goulart-Junior, R. M., & Britto, I. A. (2010). Intervenção analítico-comportamental em tricotilomania. Revista Brasileira de Terapia Comportamental e Cognitiva, 12(1-2), 224-237.

Habif, T. P. (2012). Dermatologia clínica: guia colorido para diagnóstico e tratamento. Elsevier Brasil.

HARRIS, M. I. N. D. C. (2009). Pele-estrutura, propriedades e envelhecimento. Senac.

Hunt, N., & McHale, S. (2005). The psychological impact of alopecia. British Medical Journal, 7522, 951.

Junqueira, L. C., & Carneiro, J. Histologia Básica. (2004).

Kede, M. P. V., & Sabatovich, O. (2004). Dermatologia estética. Atheneu.

Kleinhans, A. C. D. S. (2012). Stress e raiva em mulheres com alopecia androgenética (Doctoral dissertation, Dissertação de Mestrado, Pontifícia Universidade Católica de Campinas). Recuperado de: http://www. bibliotecadigital. puccampinas. edu. br/tde_busca/arquivo. php).

Lima, M. C. P., Trench, É. V., Rodrigues, L. L., Dantas, L. A. D. S., Lovadini, G. B., & Torres, A. R. (2010). Tricotilomania: dificuldades diagnósticas e relato de dois casos. Revista Paulista de Pediatria, 104-108.

MAKISHI, C. A. D. S. Curso Superior de Tecnologia em Estética e Cosmetologia. Mendes, K. D. S., Silveira, R. C. D. C. P., & Galvão, C. M. (2008). Revisão integrativa:

método de pesquisa para a incorporação de evidências na saúde e na enfermagem. Texto and Contexto Enfermagem, 17(4), 758.

Mendes, S. 2015. Metabolismo da Testosterona na Alopecia Androgenetica. Recuperado em 20 fevereiro, 2016 de, http://www.estarbemaos40.com.br/meus-cabelos-estao-caindo-e- agora/.

Mulinari-Brenner, F., Seidel, G., & Hepp, T. (2011). Entendendo a alopecia androgenética.

Surg Cosmet Dermatol, 3(4), 329-37.

Mulinari-Brenner, F., & Soares, I. F. (2012). Alopecia androgenética masculina: uma atualização. Revista de Ciências Médicas, 18(3).

Pereira, J. M. (2006). Eflúvio telógeno após dermatite de contato no couro cabeludo Telogen effluvium after contact dermatitis in the scalp. An Bras Dermatol, 81(5 Supl 3), S288-9.

Price, V. H., Menefee, E., Sanchez, M., & Kaufman, K. D. (2006). Changes in hair weight in men with androgenetic alopecia after treatment with finasteride (1 mg daily): three-and 4-year results. Journal of the American Academy of Dermatology, 55(1), 71-74.

Ribeiro, F. Ciclo de Vida do Cabelo. Recuperado em 20 fevereiro, 2016 de http://www.drfabricioribeiro.com.br/blog/ciclo-vida-cabelo/.

Rebelo, A. S. (2015). Novas estratégias para o tratamento da alopécia.

Rey, M. C. W., & Bonamigo, R. R. (2006). Tratamento da alopecia areata. Med Cutan Iber Lat Am, 34(2), 49-56.

Rivitti, E. A. (2005). Alopecia areata: revisão e atualização Alopecia areata: a revision and update. An Bras Dermatol, 80(1), 57-68.

Robbins, C. R. (2012). Chemical composition of different hair types (pp. 105-176). Springer Berlin Heidelberg.

Silva, R. T. D. (2011). Medicamentos antiandrógenos de uso oral para o tratamento da alopecia androgênica

Silva, E. A; Patricio, M. E; Paula, V. B (n.d.), Terapia Capilar para o Tratamento da Alopecia Androgenética Masculina e Alopecia Areata. Santa Catarina.

Sociedade Brasileira de Cirurgia Dermatológica. Fisiologia do Cabelo. 2016. Sociedade Brasileira de Dermatologia. Queda de Cabelo. 2016.

Steiner, D., & Bartholomei, S. (2000). Alopecia na mulher. Revista Brasileira de Medicina, 57(05).

Torres, H. F. (2012). Noções de Anátomo-fisiologia da Pele. Recuperado em 25 março, 2016, de http://www.ebah.com.br/content/ABAAABqeEAC/02-anatomo-fisiologia-pele

Torres, F., & Tosti, A. (2013). Atlas de Doenças do Cabelo. Rio de Janeiro: Revinter, 13-63.

Vogt, A., McElwee, K. J., & Blume-Peytavi, U. (2008). Biology of the hair follicle. In Hair growth and disorders (pp. 1-22). Springer Berlin Heidelberg.

Weide, A. C., & Milão, D. (2009). A utilização da Finasterida no Tratamento da Alopécia Androgenética. Revista da Graduação, 2(1).


Apontamentos

  • Não há apontamentos.