Alopécia Androgenética Feminina

Laís dos Santos Ribeiro, Luciana Teixeira Gomes Miranda

Resumo


O objetivo do nosso trabalho científico é esclarecer a patologia da Alopécia Androgenética Feminina e seus tratamentos. Através das nossas pesquisas, analisaremos os tratamentos mais difundidos nos artigos pesquisados. O objetivo deste artigo é descrever alguns procedimentos indicados para o tratamento da alopécia androgenética feminina. Especificamente, pretende-se comparar os tipos de tratamento indicados e verificar se ocorre a combinação de diferentes métodos.


Texto completo:

PDF

Referências


Addor, F. A. S. A., Bombarda, P. C. C. P., Júnior, M. S. B., & de Abreu, F. F. (2014). Influência da suplementação nutricional no tratamento do eflúvio telógeno: avaliação clínica e por fototricograma digital em 60 pacientes. Surgical & Cosmetic Dermatology, 6(2), 131-136.

Bardin, L. Análise de conteúdo. 3. ed. Lisboa: Edições 70, 2004.

Basto Júnior, F. T. (2006). Calvície feminina: classificação proposta. Rev. Soc. Bras. Cir. Plást, 21(4), 196-202.

Cavalcanti, C. P. (2015). Protocolos de tratamento da alopécia: Uma revisão.

Contin, L. A., & Alves, R. C. Alopecia androgenética masculina tratada com microagulhamento isolado e associado a minoxidil injetável pela técnica de microinfusão de medicamentos pela pele.

Correa, P. A., & da Silva, H. M. (2016). Alopécia androgenética na mulher jovem estudo de caso com ênfase no tratamento. XXVII Jornada Científica do Internato do Curso de Medicina do UNIFESO, 1(1).

Correa, P. A., & da Silva, H. M. (2016). Alopécia androgenética na mulher. Drauzio Varella. Calvície (alopecia androgenética). Disponível em:

http://drauziovarella.com.br/letras/c/calvicie-alopecia-androgenetica/. Acesso em agosto 2016.

Hohlenwerger, R., Bordalho, M. A. N., Galhardo, M. E., David, M. A. S. D., Binenbojn, C., Dimetz, T., ... & Succi, I. C. B. (1998). Alopécia androgenética feminina: estudo hormonal e avaliaçäo do tratamento com antiandrógenos. Arq. bras. endocrinol. metab, 42(3), 205-13.

Leite Júnior, A. C., & Padovez, F. (2006). Incidência de alopecia androgenética em mulheres portadoras de Síndrome dos Ovários Policísticos. Med Cutan Iber Lat Am, 34(6), 275-278.

Lobo, I., das Consultas Externas, E., & Manuel II, R. D. (2008). A alopecia androgenética na consulta de tricologia do Hospital Geral de Santo António (cidade do Porto, Portugal) entre 2004 e 2006: estudo descritivo com componente analítico. An Bras Dermatol, 83(3), 270-11.

Machado Filho, C. B. (2011). Alopécia androgenética masculina: revisão e atualização em tratamentos.

Machado, R. B., Steiner, D., Melo, N. R. D., Reis, C., & Reis Filho, E. G. M. (2007). Desmistificando questões de eficácia e segurança no tratamento da alopecia androgenética na mulher. Femina, 35(2), 95-99.

Manoel, C. A., Paolillo, F. R., & Bagnato, V. S. Diagnóstico óptico e tratamento fotoestético de alopecia: estudo de caso..

Minayo, Maria Cecília de Souza. O desafio do conhecimento Pesquisa qualitativa em Saúde. HUCITEC-ABRASCO. SP, 1996.

Mulinari-Brenner, F., de Souza, F. H. M., Neto, J. F., & Torres, L. F. B. (2006). Avaliação quantitativa em cortes histológicos transversais do couro cabeludo Quantitative evaluation of transverse scalp sections. An Bras Dermatol, 81(3), 227-32.

Mulinari-Brenner, F., Seidel, G., & Hepp, T. (2011). Entendendo a alopecia androgenética. Surg Cosmet Dermatol, 3(4), 329-37.

Muller, C. R., Schuh, C., & Redin, L. (2015). Associação de laser de baixa potência com cosméticos no tratamento da alopecia androgenetica masculina. Anais do Salão de Ensino e de Extensão, 81.

Padilha, E. L., Scatolin, H. G., & Lima, C. (2012). Tricotilomania aliado a terapia à laser de baixa frequência. Revista OMNIA Saúde, 7(1), 11-21.

Paiva, L. M. G., & Antônio, A. B. L. Protocolo para tratamento da alopecia androgenética. CEP, 1401, 000.

Rebelo, A. S. (2015). Novas estratégias para o tratamento da alopécia.

Rey, M. C. W., & Bonamigo, R. R. (2006). Tratamento da alopecia areata.Med Cutan Iber Lat Am, 34(2), 49-56.

Rutowitsch, M. S., Antonio, J. R., Steiner, D., & Talarico, S. (1999). Alopecia androgenética. An. bras. dermatol, 74(6), 561-72.

Simplicio, P. C. Carboxiterapia no tratamento da alopecia.

Siznandes, D. C. B. (2016). Associação do laser de baixa potência, microagulhamento e tônico capilar no tratamento de alopecia androgenética em homens.

Steiner, D., & Bartholomei, S. (2000). Alopecia na mulher. Revista Brasileira de Medicina, 57(05).

Thiollent, M. Aspectos qualitativos da metodologia de pesquisa com objetivos de descrição, avaliação e reconstrução. Cadernos de Pesquisa (49), maio. Fundação Carlos Chagas, São Paulo, 1984.

Uzel, B. P. C. (2014). Estudo comparativo randomizado cego para avaliar a eficácia e segurança da infiltração intralesional com minoxidil 0, 5% versus placebo no tratamento da alopecia androgenetica feminina.

Vergara, S. C. Métodos de pesquisa em Administração. São Paulo: Atlas, 2005.

Vergara, Syilvia Constant, Projetos e relatórios de pesquisa em administração. Atlas: São Paulo, 2004.

Weide, A. C., & Milão, D. (2009). A utilização da Finasterida no Tratamento da Alopécia Androgenética. Revista da Graduação, 2(1).


Apontamentos

  • Não há apontamentos.