FUMEC recebe inscrições para nova graduação em Engenharia Biomédica

A Universidade FUMEC lança a graduação em Engenharia Biomédica, inédita em Belo Horizonte. Com duração de cinco anos, o curso disponibiliza 110 vagas para pessoas que pretendem trabalhar na área e para profissionais que já atuam, mas não possuem formação específica. O processo seletivo acontece no dia 05 de fevereiro de 2011, e as aulas terão início no dia 14 de fevereiro, no turno da noite. As inscrições estão abertas até o dia 2 de fevereiro e devem ser feitas no site www.vestibular.fumec.br. Mais informações: 0800.0300.200.

O curso propõe formar profissionais aptos a desenvolver, por meio de abordagens inovadoras, equipamentos aplicados na prevenção, diagnóstico, terapia de doenças, monitoração de parâmetros fisiológicos em centros cirúrgicos e unidades de tratamento e, ainda, aplicados na transmissão de dados e nas telecomunicações.

O engenheiro biomédico atua na pesquisa tecnológica, no desenvolvimento de equipamentos médico-hospitalares e de aparelhos voltados à assistência e à reabilitação de pessoas. É importante ainda no segmento das tecnologias assistivas, de laser, de ressonância magnética, na modelagem de sistemas biológicos, na produção de órgãos artificiais e no uso de biomateriais e biossensores. O profissional também pode atuar na aquisição e processamento de sinais biológicos e de imagem, na telemedicina, em técnicas de diagnóstico e tratamento, nos processos de desinfecção e esterilização, calibração, aferição e manutenção de equipamentos médico-hospitalares, gestão e racionalização de recursos.

Segundo a Sociedade Brasileira de Engenharia Biomédica, a área engloba quatro subáreas: Bioengenharia, Engenharia de Reabilitação, Engenharia Médica e Engenharia Clínica ou Hospitalar. “O setor encontra-se em expansão no Brasil e no mundo, e integra os princípios das ciências exatas e da engenharia com os das ciências biológicas e da saúde”, afirma o diretor de Ensino da Faculdade de Engenharia e Arquitetura da Universidade FUMEC, professor Lúcio Flávio Nunes Moreira.

“Atualmente, devido à ausência de profissionais formados, os hospitais contratam engenheiros civis ou elétricos ou até técnicos ou físicos com especialização em física médica para desempenhar as atividades de recuperação, especificação e manutenção de equipamentos”, destaca Moreira. “A ampliação e desenvolvimento do setor da saúde no Brasil aumentará ainda mais a procura pelo engenheiro biomédico, para o desenvolvimento de tecnologia e para a aplicação da tecnologia na área da saúde”, conclui.